Comentários

Quando Death Stranding foi lançado em 2019, minhas impressões foram de que um game de primeira linha havia chegado. Com um história sensacional, gráficos incríveis e inovação na sua abordagem, Hideo Kojima produziu uma super produto. Ao terminar a Director’s Cut dois anos após, termino com a mesma sensação.

Reprodução/Sony-Kojima Productions

Agradecemos a equipe de Playstation no Brasil pelo envio da cópia em antecipado.

Antes das novidades, falando sobre o game

Para quem nunca jogou, Death Stranding é um jogo fora do comum. Não espere um game de grande ação ou de ritmo frenético como a maior parte da indústria promove hoje. Não que esses jogos sejam um problema, pelo contrário, vai de cada projeto, mas Death Stranding é diferente de tudo. Controlamos Sam, responsável por realizar entregas em um mundo pós-apocalíptico onde as pessoas basicamente não tem conexão entre elas.

A missão de Sam aumenta de proporção quando seu objetivo passa a ser conectar todas as redes do país (Estados Unidos). Na trama, são vários os inimigos, desde seres sobrenaturais e fantasmagóricos chamados de “EP’s”, até os ladrões de carga “MULA’S”. A história é sensacional e vale a pena entrar de cabeça nela, não cabendo falar tantos detalhes aqui para preservar a experiência, mesmo assim, um jogo em que tudo é extremamente confuso e consegue fechar todas as pontas no final, é de se tirar o chapéu.

Reprodução/Sony-Kojima Productions

A gameplay é o principal ponto diferente e também inovador. Realizando entregas, a maior parte do tempo se passa… Fazendo as ditas entregas. Os desafios além dos inimigos são vários como planejar as rotas, os meios de locomoção, o peso das cargas e adversidades que surgem no trajeto. A trilha sonora do jogo é uma das mais bem escolhidas em muitos anos, vencendo inclusive o prêmio da categoria na The Game Awards 2019. Fato é, Death Stranding é uma experiência que vale muito a pena, mas vamos falar sobre o que chegou de novidade na Director’s Cut.

Novidades visuais, na gameplay, DualSense e mais ação

São muitas as novidades na nova versão disponibilizada. Com vários pontos para se citar, separarei em tópicos os temas anunciados no título:

  • Gráficos e visual: O game conseguiu melhorar bastante um gráfico que já era excelente e um desempenho na época que era bem satisfatório. Rodando a 60 FPS com muita estabilidade, o jogo está muito bom de se jogar, bastante fluido e orgânico. No aspecto visual, a Director’s Cut está bem acima do apresentado em 2019, isso em todos os aspectos, como texturas, resolução, detalhes e iluminação.
  • Gameplay: As entregas ficaram mais acessíveis do que antes, ao menos para quem quiser. Isso não deixou o game mais fácil ou menos desafiador em seu aspecto principal, entretanto é muito bom ter outras opções. É possível, agora, levar um robô com cargas ao seu lado. Também, como mostrado em alguns trailers, a catapulta é bem atrativa e consegue ser útil em vários momentos. Outros aditivos como por exemplo pequenas pontes holográficas e rampas de impulso para os veículos são muito úteis em partes do jogo. Deixaram a experiência melhor ainda.
  • DualSense: Death Stranding Director’s Cut é um dos jogos que melhor utilizou o DualSense até agora. São várias as formas que o novo controle foi abordado dentro do game. Basicamente, toda ação tem um impacto nas nossas mãos. Sentimos os pingos da chuva, os diferentes tipos de solo, as inúmeras armas cada uma com sua característica e outras ações que são incríveis de se sentir. Realmente incrível.
  • Mais ação: Uma das coisas que mais se desejava em Death Stranding era mais ação. Para as pessoas que não gostaram do game em 2019, esse era o principal ponto fraco mostrado. Agora, isso parece ter sido adicionado na dose certa. Já de cara, no segundo capítulo, recebemos uma arma de choque e uma nova missão bem frenética. Senti durante a gameplay que o jogo está incentivando mais os combates, seja contra as EP’s ou contra os MULA’s. Agora, o conflito está mais acessível e estimulante do que antes, onde a furtividade era mais incentivada.
Reprodução/Sony-Kojima Productions

O estande de tiro e a pista de corrida

Escrevemos aqui no Overplay sobre ambos os pontos em matérias únicas, mas vale realizar novamente essa abordagem em análise. São as duas principais adições do game e ambas são bem satisfatórias.

No que diz respeito ao estande de tiro, foi surpreendente a leveza dele. É bem gostoso de ir ao estande, o qual é liberado logo nas primeiras horas de gameplay, e explorar o combate. Lá, várias armas estão disponíveis para uso e cada vez mais ele acompanha o que encontramos na jogatina. Também, desafios de tempo e pontuação estão disponíveis, deixando tudo com um ar de competição para quem desejar.

Reprodução/Sony-Kojima Productions

Já nas corridas, um misto de curiosidade com calmaria. O contexto é basicamente o mesmo do estande, voltado para desafios de tempo. A pista, que é liberada para construção no terceiro capítulo, libera 3 tipos de veículos para as provas, com um totalmente novo.

A direção é intuitiva e se torna relaxante. É possível escolher qualquer uma das músicas da ótima trilha sonora para se escutar enquanto corre e o cenário é bem atrativo. O sistema de curvas, drift e as pistas disponíveis são satisfatórios.

Reprodução/Sony-Kojima Productions

A Director’s Cut melhorou ainda mais Death Stranding

O veredito é de que a Director’s Cut é uma experiência incrível, a qual potencializou ainda mais um jogo surreal. Terminar todos os seus conteúdos novos e tudo que o jogo oferece me trouxe a mesma sensação de grandeza, satisfação e excelência. Entendo que talvez o nome mais adequado fosse uma versão “Definitva” ou “Ultimate”, pois mudanças na direção e roteiros não existem. Mesmo assim, com tudo que o jogo oferece é muito difícil não manter a nota máxima de anos atrás. Uma trajetória incrível que ficou ainda melhor, sem falar do significado diferente de conexão após tudo que vivenciamos.

Positivo
  • Uso incrível do DualSense
  • Gráficos e desempenho melhorados
  • Boas adições para as entregas
  • O estande de tiro e a pista de corrida são divertidos
  • O game está promovendo mais ação e combate
Nota 100


Comentários