Comentários

O gênero beat ’em up em sidescrolling foi um fenômeno durante a década de 90. De jogabilidade rápida, intensa e divertida, os games de “briga de rua” eram sinônimo de sucesso comercial e de crítica, nos arcades (você sabe o que é um arcade, né?) e nos consoles domésticos. No entanto, com a chegada da quinta geração de consoles, com Playstation, Sega Saturn e Nintendo 64 apostando suas fichas em jogos 3D, os beat ‘em ups começaram a perder força, até se tornarem praticamente um produto de nicho nostálgico. Durante os últimos 25 anos, os beat ‘em ups sobreviveram apenas que exclusivamente do desenvolvimento de games indies ou de tentativas frustradas de homenagens e fanmades de franquias clássicas. Que tal relembrar um pouco de um dos maiores clássicos desse gênero? 

Streets of Rage foi desenvolvido originalmente pelo studio AM1, da Sega, e lançado em Agosto de 1991, no Japão (com o nome Bare Knuckles) e em Setembro de 1991, nos Estados Unidos. Publicado originalmente para o Sega Genesis/Mega Drive, Streets of Rage teve duas continuações, sendo considerado um dos melhores beat ‘em ups da história. O projeto, dirigido por Noriyoshi Ohba nasceu inicialmente para rivalizar diretamente com Final Fight, da Capcom, que seria lançado exclusivamente para consoles na plataforma rival, o Super Nintendo. O jogo, que provisoriamente chegou a se chamar “Street Karate” e “D-Swat”, foi fortemente influenciado por seriados policiais da época, como “Esquadrão Classe A” e “Starsky & Hutch – Justiça em Dobro”. Em termos de jogabilidade, as maiores influências foram Double Dragon, da Technos Japan e o próprio Final Fight. Junto a estes games, Streets of Rage estabeleceu as bases mecânicas de uma centena (talvez milhares!) de outros jogos digitais que se aproveitaram da onda de sucesso do gênero. A jogabilidade é simples: é andar e bater em qualquer coisa que se mova. Pode-se dizer, com certo grau de abstração, que os hack n’slashes são uma evolução tridimensional de jogos como Streets of Rage, ao aproveitar justamente da simplicidade deste conceito. Pular, agarrar, combos, itens de cura, algumas poucas armas e o icônico especial do carro de polícia expandem as possibilidades de combate, tornando o avanço pelas fases progressivamente desafiador e divertido. É possível jogar sozinho, mas a diversão é ainda maior no multiplayer para dois jogadores. A possibilidade de escolher entre três personagens com características diferentes também era um diferencial, apesar de que a escolha era muito mais dirigida pelo visual de Adam, Axel e Blaze do que por seus atributos de força, pulo e velocidade. Em Streets of Rage, são 8 estágios, passando por bairros, praias, fábricas e localidades urbanas que representam uma área da cidade, com diversos inimigos e um chefe ao final de cada uma das fases. O jogo foi portado para Master System e Game Gear, e está disponível também em diversas coletâneas da Sega para as plataformas mais atuais.


Narrativa? Sim, existe. Servindo única e exclusivamente como um pretexto pra justificar a pancadaria. Uma organização criminosa toma conta da cidade, controlando políticos e a polícia. Um grupo de jovens resolve limpar o crime das ruas com as próprias mãos, literalmente. E é isso. A icônica e memorável trilha sonora, composta por Yuzo Kohiro, é baseada no estilo techno eletrônico tão em moda na época, e uma das características mais marcantes do jogo. Visualmente, os gráficos 2D em pixelart, animados quase que artesanalmente, eram impecáveis, fluidos e coloridos, aproveitando toda a velocidade de processamento do Mega Drive. 

Streets of Rage é um marco de uma época, onde os jogos digitais eram mais simples e diretos. É um símbolo de um gênero que foi um sucesso estrondoso na década de 90 e que hoje sobrevive mais alimentado pelo sentimento saudosista do que de fato por sua relevância enquanto produto criativo. A relevância de Streets of Rage é inegável, e a sua influência para a história dos jogos digitais vai muito além de sua representatividade como ícone de um gênero, mas também como um dos maiores clássicos de sua época. 


Comentários