Comentários

Mesmo quando um videogame traz dezenas ou até centenas de horas de alegria, tudo pode ser desfeito em um instante com um final que não corresponde a tudo o que você investiu. Estou olhando para você, Mass Effect 3.

Um ótimo final pode elevar um jogo incrível ao status de clássico, ainda mais se ele ousa levar as coisas a lugares inesperadamente chocantes, até mesmo emocionalmente conflitantes.

Isso certamente é verdade para esses 10 jogos, todos os quais ousaram ultrapassar os limites do que poderiam ser os finais dos videogames, garantindo, por sua vez, que poucos esqueceriam como eles terminaram.

De finais de reviravolta surpreendentes a batalhas finais que drenam energia, últimas resistências devastadoras e tudo mais, esses finais deixaram os jogadores sentindo-se ao mesmo tempo eufóricos e precisando desesperadamente de um cobertor e uma xícara de chocolate quente.

Esses finais literalmente tiraram o fôlego dos jogadores com sua intensidade, sua brutalidade e sua criatividade, por sua vez, alojando-se profundamente nas mentes dos jogadores para sempre.

Nenhuma discussão sobre os maiores e mais inesperados finais de videogame de todos os tempos pode ser completa sem esses jogos, que foram elevados a novas alturas por meio de seus finais executados com maestria.

10 – Dead Space

Dead Space é um dos jogos de survival horror mais intensos de todos os tempos, oferecendo um final que revela que a namorada do protagonista Isaac, Nicole, está morta o tempo todo, pouco antes de você ser forçado a enfrentar o grotesco chefe final do jogo, a besta colossal conhecida como Hive Mind.

Mas mesmo depois de derrubar o monstro no final de uma batalha frenética, o jogo acrescenta mais um toque dramático.

Depois que Isaac foge apressadamente, ele ouve uma das últimas mensagens de vídeo de Nicole antes de ser repentinamente atacado por uma alucinação dela.

Embora jump scares tenham uma tendência a ser baratos e preguiçosos, este choque perfeitamente colocado levou Dead Space a uma conclusão apropriadamente enervante, garantindo que jogadores que baixassem a guarda – ou seja, todos – ficassem completamente aterrorizados.

9 – Metal Gear Solid 4: Guns Of The Patriots

Metal Gear Solid 4 pode representar o pico da indulgência para o criador da franquia Hideo Kojima, mas também oferece um dos finais mais bombásticos e agradáveis ​​ao público da história.

O clímax épico do jogo mostra Snake sendo assado até ficar crocante enquanto rasteja por um corredor repleto de emissores de micro-ondas para chegar à sala do servidor do GW AI.

Depois, ele participa de uma batalha final gloriosamente nostálgica contra Liquid Ocelot no topo de Outer Haven, terminando com a morte de Ocelot.

Mas isso tudo é apenas preparar a mesa para uma cena final que dura mais de uma hora, flertando com a possibilidade de Snake cometer suicídio antes de ser interrompido por Big Boss, que é revelado estar vivo.

Depois de uma longa conversa, Big Boss sucumbe ao vírus FOXDIE que corre nas veias de Snake, e Snake decide viver seu tempo restante em paz.

Um final adequado para um dos heróis de ação mais amados dos jogos, o final operístico de Metal Gear Solid 4 serviu uma barragem quase avassaladora de ação e emoção

8 – Inside

O jogo puzzle de plataforma assustadoramente ambíguo da Playdead, Inside, não será esquecido por ninguém que o jogou, especialmente porque dá uma virada louca em seu final caótico.

Na maior parte do tempo, Inside é um jogo sutil e leve em que o jogador controla um menino que atravessa um mundo distópico, evitando guardas e resolvendo puzzles para progredir.

Mas no final do jogo o tom muda drasticamente, quando o garoto chega a um laboratório dentro do qual uma grande bolha carnuda conhecida como Huddle está alojada.

O menino é finalmente puxado para o Huddle por seus membros assustadoramente protuberantes, momento em que o jogador ganha o controle da criatura, se libertando de seu confinamento e esmagando qualquer um que cruzar seu caminho.

Depois de uma sequência de fuga visceral, o Huddle desce uma colina para se estabelecer na beira de um penhasco banhado pelo sol, antes que o jogo termine imediatamente.

Embora o final intrigante de Inside tenha causado divisão entre os jogadores, não há como negar que poucos poderiam esperar uma conclusão tão exagerada e bizarra para um jogo que, de outra forma, era tão modesto e contido.

7 – Halo: Reach

O último Halo da Bungie também oferece o final mais emocionante da série até o momento, embora só depois de você já ter passado pelos créditos finais.

A “cena” pós-crédito de Reach é na verdade uma missão extra inteira, onde como um super-soldado de elite Noble Six, os jogadores devem encenar uma última resistência contra o Covenant no Reach, não importa o nosso conhecimento de que o fracasso é inevitável.

Na verdade, você não pode realmente “vencer” a missão no sentido tradicional e deve apenas lutar até morrer, logo depois uma cena mostra Noble Six sendo tragicamente derrotado e morto pelas forças do Covenant.

Sabemos que está chegando, mas ainda assim é completamente devastador, auxiliado pela inesquecível imagem final do capacete de Six descansando na superfície do planeta e lá permanecendo ao longo dos anos.

6 – The Walking Dead da Telltale

A primeira temporada de The Walking Dead da Telltale é uma das maiores séries de videogame episódica de todos os tempos, em grande parte graças ao relacionamento comovente pai-filha formado pelos sobreviventes Lee e Clem.

Não é muito surpreendente quando Lee é mordido por um zumbi no final da temporada, mas a Telltale certamente aproveitou essa reviravolta para cada queda dramática no final do jogo, dando aos jogadores uma escolha impossível como Lee – pedir a Clem para atirar nele antes ele se transforma em um zumbi ou insistir para que ela saia imediatamente.

Qualquer escolha que você fizer, é uma encruzilhada narrativa devastadora para o jogador, e se você não escolher, o jogo fará sua própria escolha com base em suas ações até aquele ponto.

Quer você coloque uma bala no cérebro de Lee ou simplesmente saia, o jogo também oferece um final pós-crédito para irritar ainda mais seus nervos: uma agora solitária Clem avista duas figuras ambíguas à distância.

Desnecessário dizer que a espera pela segunda temporada foi uma agonia.

5 – L.A. Noire

L.A. Noire certamente subverte as expectativas durante seus casos finais, já que o detetive protagonista do LAPD, Cole Phelps acaba rebaixado para a unidade de incêndio criminoso depois que seu caso extraconjugal com Elsa Lichtmann é revelado à imprensa.

Na maior parte do final, os jogadores ocupam o lugar do investigador particular Jack Kelso, enquanto ele e Phelps perseguem o incendiário enlouquecido Ira Hogeboom.

Na última missão, Phelps acaba se sacrificando para ajudar a resgatar Jack e uma Elsa sequestrada de uma inundação de esgoto, acabando por ser varrido antes que ele também possa escapar.

Como se isso não fosse irritante o suficiente, L.A. Noire fica ainda mais sombrio na reta final, como é habitual no gênero noir.

O ex-parceiro corrupto de Phelps, Roy Earle, faz um elogio totalmente falso e desonesto em seu funeral, e nunca recebe sua punição por causar o rebaixamento de Phelps, um ato que efetivamente coloca os eventos em movimento que levam à morte de Phelps.

4 – Brothers: A Tale Of Two Sons

Se você ainda não jogou Brothers: A Tale Of Two Sons, você precisa mudar isso antes de continuar lendo. Sério.

Este jogo de aventura habilmente elaborado é estrelado por dois irmãos que fazem uma jornada para encontrar a cura para a doença de seu pai, com o jogador manobrando cada um dos irmãos com um dos analógicos do controle.

É um conceito genial para resolução de puzzle, embora tenha uma utilidade mais devastadora na sequência final do jogo quando o mais velho dos dois irmãos, Naia, é ferido por uma aranha gigante.

Naia morre, deixando o jogador assumir o controle solo do irmão mais novo, Naiee, para a sequência final. Como se isso não fosse brutal o suficiente, você então tem a tarefa de enterrar seu próprio irmão, sozinho, antes de retornar para seu pai.

Este não é o jogo para jogar se você deseja um momento descontraído e alegre, mas como uma representação da fraternidade nos jogos, seu poder é virtualmente incomparável.

3 – Life Is Strange

Embora muitos fãs tenham ficado irritados com o fato de uma temporada com boas histórias e bons desenvolvimento de personagens se resumir a uma única escolha binária no final da primeira temporada de Life Is Strange, que escolha agonizante foi.

No final tempestuoso, os jogadores enfrentam um dilema: salvar a melhor amiga da protagonista Max, Chloe, e deixar a cidade de Arcadia Bay ser destruída pela tempestade que se aproxima, ou salvar Arcadia Bay, mas ao custo da vida de Chloe.

De qualquer forma, o resultado é devastador: salve Chloe e então Arcadia Bay e seus residentes são arrasados, enquanto no mais exasperante dos dois finais, salvar a cidade leva à morte de Chloe e a uma brutal, embora bela, sequência funeral.

Qualquer que seja o final que você escolher, Life Is Strange estabeleceu um novo referencial emocional para jogos de aventura episódicos.

2 – The Last Of Us Part II

Por todas as suas 20 e poucos horas, The Last of Us Part II é sem dúvida um dos videogames mais intensos de todos os tempos, um thriller de ação quase impossivelmente sombrio que investe os jogadores profundamente em seus personagens soberbamente desenhados.

Além da controvérsia daquela reviravolta inicial e daquela mudança repentina de perspectiva, o jogo está se encaminhando para um dos finais mais sublimes e cansativos da história.

Em um longo epílogo, Ellie alcança Abby, que foi capturada, torturada pelos Rattlers.

Apesar disso, uma vingativa Ellie liberta Abby apenas para incitá-la em uma luta até a morte, levando a uma luta final selvagem na qual Abby morde dois dedos de Ellie, e Ellie quase a afoga.

As duas então seguem caminhos separados, cada uma começando a apreciar a futilidade de suas respectivas buscas de vingança, enquanto seus destinos mais amplos são deixados ambíguos.

Por mais divisivas que tenham sido algumas das decisões de narrativa do jogo, não há como negar o quão brilhantemente a Naughty Dog aumentou a tensão para a sequência final.

1 – Red Dead Redemption

Mas nem mesmo The Last of Us Part II pode superar o brilho do final de Red Dead Redemption.

Embora a jornada do protagonista John Martson inicialmente pareça terminar pacificamente quando ele se estabelece com sua família, as últimas palavras assustadoras de Dutch acabam voltando para casa quando o agente do Bureau of Investigation, Edgar Ross, chega batendo na porta do rancho Marston.

Acompanhado por uma multidão de linchadores de marechais e agentes do Bureau, Ross encurrala John do lado de fora de seu celeiro e, embora a última resistência de John lhe permita levar alguns dos homens de Ross com ele, o jogo dos números inevitavelmente prevalece.

John morre após ser atingido por inúmeras balas, deixando sua esposa Abigail e seu filho Jack para enterrá-lo.

E enquanto isso por si só teria feito um baita de um final, Rockstar foi além, mudando o controle para Jack para um epílogo três anos depois, onde os jogadores podem rastrear Ross e exigir uma vingança sangrenta.

Apesar das grandes histórias e personagens que a Rockstar nos trouxe desde então, o final brutal de Red Dead Redemption ainda nos toca.



Comentários